terça-feira, 30 de junho de 2009

Agenda de cursos para o segundo semestre

Olá amigos!

A correria no momento está grande, mas nada que não permita momentos de relaxamento, lazer, meditação, boa alimentação, corrida e treino funcional, pois tudo issso é fundamental para enfrentar as inevitáveis turbulências. Mas graças à mente positiva, esse é um momento sem turbulências e problemas, então a ideia é sempre apresentar soluções, ao invés de problemas e dificuldades. É claro que problemas e dificuldades farão parte do cotidiano, para algumas pessoas frequentemente, para outras, nem tanto...

Então me inspiro quando essas situações surgem, pois encaro como uma oportunidade de sair do lugar comum, da zona de conforto, enfim utilizo essas "barreiras" como mola propulsora para novas conquistas em todas as áreas da vida. E como seria bom se mais pessoas agissem dessa forma, assim uma simples gripe não seria encarada como o fim do mundo, ou tipo "estou mal para morrer" (expressão comum por esses pagos aqui do sul), uma enxaqueca, um enjôo, uma dor no joelho, o trânsito, e tantas outras situações seriam minimizadas e não teriam tanta importância para colocar o ser humano para baixo. Então seja mais positivo e encare esses fatos como oportunidades para dar um salto para dias melhores...

Por aqui vou confirmando datas novas para curso de treinamento funcional, então preparem-se para dois grandes eventos para o segundo semestre:

-em agosto curso de treinamento funcional em Porto Alegre.
-em outubro um "big" curso internacional de treinamento funcional em Porto Alegre.

Para os profissionais de outros estados que se interessarem em cursos, entrem em contato, pois ainda disponho de algumas datas, então posso ir até a sua região e ministrar um curso de treinamento funcional em sua cidade. Será um grande prazer transmitir a experiência acumulada nesses anos de trabalho.

E não esqueçam, respirem fundo e TUDO SERÁ MELHOR!

Trilha do post: MC Yogi Elephant.

FROM THE CORE!

Fabiano Piassarollo
"Core Life performance"
(51)-9198-4039
fabianopiassarollo@terra.com.br

terça-feira, 23 de junho de 2009

Na linha de chegada, viva a endorfina!




Ah, que sensação maravilhosa, cumprir a meta estipulada e cruzar a linha de chegada sorrindo, cheia de alegria. Pois é essa sensação que todos deveriam experimentar pelo menos uma vez na vida. Ouço muitos comentários de que a corrida é desgastante, é sofrida, de que a corrida não é para mim, não gosto de corrida...


Mas preparem-se e cumpram pelo menos uma vez "esse ritual", então realmente poderão dizer que não gostam, mas corram e sintam a energia, alegria e sentimento envolvidos em uma prova de corrida, pois todo esse ambiente é fantástico, e vale o "sacríficio" considerado por muitas pessoas.
Mas o interessante é que quando você começa a treinar corrida, você acaba se tornando dependente dela, principalmente da sensação após a prova ou treino. E isso ocorre em função da endorfina liberada pelo cérebro. Essa sensação é o "barato da corrida", gerando o prazer e bem-estar de muitos corredores. Sem contar nos demais benefícios que a corrida, quando bem dosada e periodizada, proporciona à saúde, além do aumento da imunidade. Mas o tempo é curto, e isso será assunto para outros posts, inclusive sobre os efeitos da endorfina no organismo.
E nunca esqueçam que o treinamento funcional é excelente para a preparação física de corredores, melhorando a performance e prevenindo lesões.
FROM THE CORE
Fabiano Piassarollo
"Core Life Performance"
(51)-9198-4039

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Ser Global, exercício global = TREINO FUNCIONAL








A tendência natural do ser humano é ser flexor. Por diversas causas e motivos, o indvíduo tende a flexionar, principalmente a coluna.




Os ombros tendem à rotação medial ( interna), movimento que fica evidente observando algumas pessoas dirigindo veiculos, trabalhando em escritórios com computador, atendendo o telefone e realizando outras tarefas ao mesmo tempo. Sem contar no fator emocional e ambiental. Sim, fator emocional e ambiental, pois não há como separar esses e outros fatores e emoções, pois tudo irá refletir em alguma parte do ser. E geralmente, quando a temperatura está baixa, há uma retração, principalmente dos ombros. Então esses rotam medialmente, fechando mais ainda os peitorais (contraindo=encurtando), e flexionando o tronco, ocasionando uma hipercifose. Isso torna a cintura escapular mais alongada (abduzida), porém, também mais fraca. Esse movimento pode sobrecarregar cervical e ombros, gerando rigidez muscular (contratura), e até inflamação.
O mesmo pode acontecer em caso de algum transtorno emocional e estresse. No caso desses dois, outra zona emocional poderá ser afetada, o estômago, e sobre isso, tecerei comentários em breve. E voltando ao ser global, a flexão contínua da coluna, afeta os discos intervertrebais, o que prejudica as AVDS , gerando compressão das vértebras, desencadeando a dor lombar, e quem sabe, no futuro hérnias de disco, compressão e consequente inflamação do nervo ciático e por aí vaí.
Abaixo da lombar, provavelmente, mais compensações incidindo sobre a pelve e quadril, ocasionando encurtamentos e dor, geram uma série de desconfortos e patologias que prejudicam a capacidade funcional. Esses sintomas, muitas vezes, levam ao afastamento das atividades esportivas e até do trabalho. Olhem a complexidade da máquina chamada ser humano.
Nada se separa. Nas fotos acima, exercícios funcionais para abrir os peitorais (alongar=relaxar). E no final do post anterior (abaixo na página), recomendei que abaixassem os ombros, abrindo peitorais e colocando umbigo para dentro. Esses dois exemplos dão resultado, e ao mesmo tempo garantem ótima ativação muscular, também proporcionam relaxamento, e podem ser colocados de forma dinâmica ao longo da sessão, ou de forma estática no final do treino.
E treino funcional é isso, qualidade e resultados para estética, performance, saúde e bem estar, tudo aliado para a complexa máquina chamada ser humano. E o resultado positivo é certo, pois a ativação será global, refletindo em todo o ser, melhorando a qualidade de vida. Então procurem perceber o corpo como a soma de um todo, chamado plano físico, mental e espiritual. Portanto, não adianta separar, tem de ser integrado, e obtemos isso no treino funcional, basta praticar com segurança e responsabilidade.
FROM THE CORE
Fabiano Piassarollo
"Core Life Performance"
(51)-9198-4039

terça-feira, 16 de junho de 2009

Somos flexores...





A afirmativa que abre uma nova série de posts por aqui, é verdadeira, pois realmente somos seres flexores. Expostos a ação da gravidade, estresse, obesidade, desequilíbrios e encurtamentos musculares, algumas patologias osteo-articulares e, pela nossa própria origem, volta e meia, ou constantemente, temos a sensação que a coluna está envergada.




Mas temos de nos manter de pé e buscar o alinhamento correto dos segmentos corporais. Em alguns casos, determinados exercícios (e falo em exercícios, pois sou educador físico), ao invés de beneficiar o aluno, até pioram. E é por isso, que a avaliação deve ser realizada para identificação do caso específico do aluno, e a partir de então utilizar as ferramentas (exercícios) corretas para obtenção de resultados efetivos, atenuando e corrigindo os desequilíbrios posturais.


Hoje, devido a experiência acumulada no trabalho com treianmento funcional, posso afirmar que os exercícios funcionais são ótimos para melhorar a consciência e controle corporal, respiração, equilíbrio, mobilidade articular e, consequentemente, a postura do praticante, pois esses são alguns fatores que a influenciarão. O treinamento funcional proprociona resultados mais eficazes na correção de desequilíbrios musculares, comparados aos tradicionais exercícios de força e alongamento analítico (o tradicional).


Portanto, recomendo, e em breve explico qual o motivo disso, que mantenham o peito aberto, ombros para baixo e umbigo para dentro.


FROM THE CORE


Fabiano Piassarollo

"Core Life Performance"

(51)-9198-4039

terça-feira, 9 de junho de 2009

Rotadores da coluna



video



Olá amigos do treino funcional. Como volta e meia falo e escrevo, o melhor é pensar em prescrever movimentos específcos para as AVDS e modalidades esportivas.



No caso de um aluno que nos procure para melhorar a sua qualidade de vida, o foco específico será a capacidade funcional para as AVDS. Só que qualidade de vida também significa que o aluno quer, e muito, melhorar a estética corporal, e é perfeitamente possível conquistar ambos os objetivos com o treinamento funcional. O mesmo em relação ao objetivo de um aluno que realize algum esporte, dessa forma então, o treino funcional serve como principal ferramenta na preparação física, além de melhorar a forma corporal e qualidade de vida.



Mas os principais relatos de novos alunos que vem treinar comigo são relacionados à problemas na coluna, entre eles hérnia de disco e nervo ciático. E além disso, o aluno ainda necessita melhorar a aparência física. Achou complicado? Parece, mas na realidade não é! O que acontece é que muitos acreditam que isso pode ser um fator limitante, mas se existe uma limitação diagnosticada na avaliação médica, na avaliação do professor, mas principalmente pelo feedback do aluno na realização das atividades, tenho como desenvolver um trabalho que atenue e até acabe com as limitações impostas pela hérnia, além de melhorar e muito a condição física do aluno.



O feelling do profissional responsável também é importante, pois assim este terá condições de perceber em quais momentos e movimentos deve intensificar ou não o treinamento. Exemplos de exercícios que costumo trabalhar para coluna e musculatura abdominal, são movimentos de flexão, extensão e rotação em pé. Certa vez, na época de universidade, apresentando um trabalho de saúde para a coluna, em que eu sugeria essa abordagem para treinamento de ABS, recomendei a aplicação de rotação de coluna em pé. Então, uma colega do meu próprio grupo contestou a prática desse movimento para pessoas com hérnia de disco, pois a rotação iria afetar ainda mais a situação. Seguindo esta lógica de pensamento, significa que portadores de hérnia de disco não devem realizar rotação de coluna?



Mas mais cedo ou mais tarde "TODO" indivíduo terá que realizar um movimento de rotação na coluna, pois esse é um movimento funcional. Partindo desse princípio, DEVEMOS CONDICIONAR A ROTAÇÃO DE COLUNA, APLICANDO EXERCÍCIOS QUE EXIJAM ESSA MOVIMENTAÇÃO. Imagina um aluno com hérnia de disco tendo de girar rapidamente o tronco para determinada AVD, se este não estiver com os rotadores de coluna "TREINADOS", aí sim, provavelmente a situação da hérnia vai piorar. Voltando à apresentação do trabalho, eu e a professora da disciplina, alertamos a colega de que a rotação de coluna é permitida e essencial para quem tem hérnia de disco. O que deve ser observado é o feedback do aluno, respeitando a amplitude desse movimento.



Sendo assim, treinem os músculos rotadores da coluna, mesmo em caso de hérnia de disco. No vídeo, minha aluna realiza o twist rubber band, excelente exercício para as laterias do abdômen e cintura, mobilidade da coluna, potência para rotações no esporte (golfe, tênis, padel, squash, jiu-jitsu). E o melhor, este exercício transforma o abdômen, "rasgando" os oblíquos. É CORE total.


ROTADORES DE COLUNA:


Cervical:


Trapézio superior, esplênio da cabeça, esplênio do pescoço, esternocleidomastóideo.


T1-S1:


Interespinais, intertransversais, rotadores, oblíquo externo e interno, multífido, semi-espinais.



Só para lembrar como o treino funcional permite agregar qualidade de vida, preparação física e boa forma, o exemplo da aluna protagonista do vídeo, é uma prova disso. Em seu caso, esta teve ruptura dos ligamentos dos dois joelhos (não ao mesmo tempo), estava há um bom tempo sedentária antes de iniciar o treino funcional, vinha de uma pneumonia, e queria recuperar o tempo perdido, voltando para uma melhor forma física. Então, em menos de três meses de treinamento funcional, coloquei ela para correr novamente, aumentamos o seu equilíbrio e estabilização, sua massa muscular aumentou, seu nível de estresse baixou e a qualidade de vida melhorou. Hoje, ela está às vesperas de participar de sua primeira prova de corrida.



Portanto, não tenham dúvidas, o treino funcional é ganho certo para qualquer aluno, e para qualquer objetivo, pois contempla a individualidade, especificidade e o resultado final para o aluno é o diferencial em qualidade de vida e performance.

FROM THE CORE

Fabiano Piassarollo

"Core Life Performance"

(51)-9198-4039

fabianopiassarollo@terra.com.br